#TezukaDay – Black Jack e a genialidade de Osamu Tezuka

Quando me informaram que haveria um dia totalmente dedicado ao grande mestre Osamu Tezuka, e ainda teria a participação dos blogs de anime, onde cada um iria falar de um obra dele, não pensei duas vezes, não hesitei sequer um segundo, para dizer qual eu queria. É a obra que tenho mais carinho, a que mais sou fascinada e confesso, está no meus cinco mangás favoritos de todos os tempos. Estou falando de Black Jack que, para mim, é a obra suprema do mestre Osamu Tezuka (haters gonna hate).

Black Jack é um famoso jogo de azar, conhecido como 21  e… Espera. Para tudo. Eu não estou falando desse Black Jack! Produção, que foto é essa? Eu não vou falar de 21, poxa! Rebobina a fita ai, pessoal!

Isso, agora está certo!

Black Jack é o mangá de Osamu Tezuka, publicado na Shounen Champion de novembro de 1973 até 14 de outubro de 1983. Foi o primeiro mangá a ganhar o prêmio Kodansha e teve 25 volumes. Nos EUA, é públicado pela fantástica Vertical e ainda não foi publicado no Brasil. Ele ainda é considerado a terceira obra mais importante de Osamu Tezuka, ficando atrás de Astro Boy e Kimba, o Leão Branco. O mangá é constituído de histórias episódicas, muitas vezes sem conexão e não seguindo uma linha cronológica. A história é simples: Black Jack é um famoso cirurgião, conhecido no mundo inteiro capaz de fazer “milagres”. Porém, ele é um médico sem licença, e ainda cobra uma alta quantia de dinheiro por seus serviços.

Muitos se perguntam por que Black Jack tem pele e cabelo de cores diferente e por que seu rosto é costurado. Não, ele não pintou o cabelo de branco/preto e não costurou a própria cara! Na verdade, isso envolve diretamente seu passado. A explicação é triste e simples: quando criança, Kuroo (seu nome verdadeiro) estava brincando com sua mãe em uma praia quando achou sem querer uma bomba, que explodiu. Seu corpo ficou completamente destruído, afetando tanto sua pele (o que restou) quanto seus orgãos. O médico Honma não desistiu do garoto e realizou uma série de cirurgias que reconstituíram o garoto. Demorou anos para que Kuroo se recuperasse totalmente, enfrentando duras fisioterapias. No meio do caminho, o garoto ainda sofreu a perda de sua mãe e o abandono de seu pai. Em outras palavras, a vida de Black Jack não foi nada fácil. Ele tornou-se médico inspirado e por causa do seu salvador, adotou o nome Black Jack (Kuro = Negro = Black ; Jack = nome de garoto = o) e seguiu adiante na busca em ser médico. Tudo ia bem até que, impedido de fazer uma cirurgia, qual ele  faz mesmo assim, é lhe negado a licença médica. Revoltado por ter salvado a vida do paciente e ainda ter sofrido isso, Black Jack vê como a burocracia médica é revoltante e decide seguir carreira, mesmo sem licença.

Muitos pensam que Black Jack é um homem horrível por cobrar pro seus serviços, e ainda mais por aceitar trabalhos sujos caso seja pago. Mesmo assim, o médico tem um coração bom, “de ouro”,se preocupa com seus pacientes e as vezes faz o que bem entende como certo ao invés de obedecer a pessoa “tirana” que pediu seu serviço. Um dos casos que eu mais gosto e  que ocorre isso é a primeira história do mangá, “Is there a Doctor?”.

Capa do capítulo

Resuminho básico (e bem chulo): um “filhinho de papai”, “playboy”, como queria, acaba sofrendo um acidente gravíssimo – por culpa dele, que dirigia a 1000 kilometros por hora – e sua única salvação é o famoso, o único, o grande Black Jack. Seu pai, um ricão que não se importa com nada há não ser com seu próprio umbigo, resolve contratar Black Jack. O médico diz que precisaria de outro corpo para salvar o menino, uma pessoa teria que ser sacrificada em pró do filho do papai! Logo, um inocente – na verdade, o coitado teve a má sorte de estar na cena do acidente – foi acusado de ser o culpado pelo acidente. Ele é preso e condenado a morte, sendo que tudo não passava de um esquema do milionário, que queria que o inocente morresse de forma “legal”. Black Jack ainda pergunta, antes do julgamento, se o milionário realmente queria que um inocente fosse sacrificado pelo seu filho ruim, e frio, o velho responde que coisas assim ocorriam normalmente. Depois do inocente se despedir de sua mãe, Black Jack coloca a injeção letal no inocente e ocorre a “transfusão de corpos”. Tempo depois, quando o menino já estava recuperado, ele vai na casa da mãe do inocente e revela ser, na verdade, o condenado! Black Jack só havia feito uma cirurgia facial nele para que ficasse igualzinho ao filho do milionário, já que o médico havia dito a ele que não teria sentido operar um corpo e alma já mortos. Filho e mãe fogem, felizes. O que levamos desse conto? O quanto as pessoas podem fazer por serem influentes ou ricas para atingirem o que querem. O quanto as pessoas são egoístas. O quanto os humanos são horríveis e bons. E não é só nessa história que isso ocorre. Black Jack tem muito disso: o lado ruim dos humanos versus o lado bom, não tendo vergonha ou timidez de mostrar o lado podre da humanidade. Acho que isso é uma das melhores coisas em Black Jack: a genialidade de Osamu Tezuka transparecia nas criticas.

Cena do capítulo "Is There a Doctor?"

Agora, Black Jack teve várias “vidas” no meio da animação japonesa: dois filmes, duas séries para televisão e uma série de OVAs. Bastante coisa, refletindo seu sucesso na terra no sol nascente. Agora, irei dar pequenos comentários sobre as séries e os OVAs.

A primeira série de televisão teve 61 episódios, passou no Animax e foi direcionada para um público infantil, “amenizando” as histórias menos pesadas de Black Jack. Eu coloquei amenizando entre aspas por que, mesmo o fazendo, é impossível as histórias não serem pesadas e terem criticas fortes da sociedade. Uma criança não entenderia, já um adulto, se procurasse a fundo (ou até superficialmente em alguns episódios), veria facilmente. Caso você, caro leitor, tenha seu primeiro contato com Black Jack pelo anime, você provavelmente terá uma dessas duas opções de pensamento: 1- Black Jack é outra obra infantil de Osamu Tezuka; 2- Pera, eu vejo algo. Tem um critica forte ai. Pode até ser pra criança o anime, mas eu quero saber se é assim mesmo no original. Caso você tenha o pensamento um, vou colocar até em negrito a resposta: de jeito maneira que Black Jack é uma obra infantil. Longe disso. Eu considero uma das obras mais adultas de Osamu Tezuka, junto com Adolf e Apollo’s Song. Agora, caso você siga o pensamento 2, eu lhe digo: isso, meu fofo. Você tem razão. Vai fundo nessa! Antes que achem que eu não gosto do primeiro anime, eu gosto muito, viu? E confesso: meu primeiro contato com Black Jack foi pelo anime, no Animax. E vocês devem saber qual dos pensamentos eu tive, não é?

O segundo anime, Black Jack 21, tem algo que nem no mangá, nem no primeiro anime, nem nos OVAs, tem: segue uma linha de acontecimentos, não é episódico. A trama principal é bem atraente: Black Jack recebe uma ligação de ninguém menos que seu pai. Sim, o pai que o abandonou debilitado e com a mãe a beira da morte. Ele quer que o filho opere a face de sua nova mulher, transformando-a na mulher mais linda do mundo. Paralelamente, uma organização está atrás da vida de Black Jack. Muitas confusões, muita ação, até comédia e um certo romance tem! Na verdade, tem até o Black Jack fazendo uma operação EM SI MESMO (Like a Boss). Bem, enfim, a segunda série é boa, bem instigante, e quem gostou da primeira também gostará desta.

Agora, vem o que considero “verdadeiramente” Black Jack tirando o mangá: Os 10 OVAs.

Se você ver os OVAs depois do anime, assim como eu, irá se assustar ao ver as diferenças gritantes entre os dois, desde o traço até a duração. Enquanto as séries de anime seguem o traço bem parecido com o mangá, e de certa foi “infantilizado”, os OVAs tem um traço adulto, seinen. Cada OVA tem 50 minutos, mas parece que tem 23 (pelo menos para mim) de tão gostoso que é assistir. Se eu pudesse descrever a série de OVAs em uma palavra, seria seinen. Agora você poderá ver como Black Jack é pesado, é sério, é forte, é negro, quase sem cor, obscuro. Agora você verá que a Pinoko não é tão irritante assim como na série. E poderá ver sangue, orgãos a mostra, mamilos e o Black Jack de sunga, coisa que não poderá ver nas séries para televisão.  Um dos OVAs mais fortes é o segundo, onde Black Jack conhece um grupo de meninas em uma noite de neve e uma delas quase morre, se não fosse por ele. Tempo depois, ele a reencontra e vê como vida dela e das outras garotas mudou rusticamente. Drogas, suicídio, loucura. É pouco? Bem, queria poder expressar em palavras como gosto destes OVAs, mas creio que seja impossível. Apenas quero deixar um recadinho: Se você quer verdadeiramente Black Jack, pegue estes OVAs ou o mangá.

Falando de personagens, temos muitos mesmo, já que estamos falando de uma história episódica. Porém, alguns se destacam e aparecem com frequência. Primeiro, obviamente, irei falar do protagonista, o que é a origem do nome da série, o médico, o gênio, o “deus da medicina”, o “criminoso”, o horrível, o bom Black Jack. Se você acha que ele só opera humanos, está muito enganado: Black Jack ajuda desde humanos até baleias assassinas, sem exagero! Em uma das primeiras histórias, é mostrado a história triste de amizade entre Black Jack e uma baleia assassina. Outro exemplo de um animal que foi ajudado por Black Jack é o leãozinho Kimba! Isso mesmo, Kimba, o leão branco faz uma aparição especial no mangá. Black Jack pode ser frio normalmente, mas é uma pessoa de bom coração, além de ter um carinho grande por Pinoko, sua criação, e por pessoas próximas, como o médico Honma e o seu trágico primeiro amor, Megumi. Black Jack faz o que acha certo, e não acha errado cobrar por seus serviços. Ele pode fazer operações em si mesmo, é galanteador, faz meninas suspirarem, é um médico fantástico e tem uma esposa. Quer dizer, não é bem uma esposa! Mas isso explicarei no parágrafo abaixo.

Black Jack, o gênio, o Deus da medicina

Pinoko, a pequena menina de cabelos ruivos, assistente de Black Jack e uma criação dele, é uma “menina” de “18” anos. Por que coloquei estas informações em aspas? Bem, a história dela é mostrada no conto “Teratoid Cystoma”. Um dia, Black Jack recebe uma paciente que tem um Teratoma, que é quando tem se duas crianças gêmeas na barriga da mãe, só que na verdade, uma delas está dentro do corpo da outra. Cresce uma parte no corpo da criança onde tem os orgãos da outra crianças. Black Jack tem que tirar esse “tumor”, sendo que ele já tem coração, cérebro, todos os orgãos desenvolvidos. Na cirurgia, o tumor não quer ser cortado (sim, você leu bem, ele não quer se cortado, tanto que não deixa Black Jack se aproximar) e por isso, Black Jack promete para o tumor (engraçado, sim) que irá dar um corpo para ele. Assim, ele tira o tumor e em um corpo artificial, coloca todos os orgãos que estavam nele. Nisso, nasce a pequena Pinoko. Com corpo de 5 anos e alma de 18 (mesmo que ela seja muito infantil) ela se considera a mulher de Black Jack, é uma menina alegre e ama ser a enfermeira de Black Jack.

Pinoko e Black Jack: uma relação de carinho

Outro personagem importante é Kiriko, o médico “antagonista” da série. Ele também não tem licença médica e é conhecido como “médico da morte” pois seu “método de medicina” é a eutanásia. Ao contrário de Black Jack, ele não se interessa por dinheiro. A principal diferença dos dois é basicamente que Black Jack luta até o último instante pela vida do paciente, enquanto Kiriko acha melhor livrar a pessoa da dor rapidamente e indolor praticando a eutanásia, mesmo que ele não ache que seja a solução para todos os casos.

Black Jack e Kiriko em encontro inesperado

O que muitos não sabem é que o mestre Osamu Tezuka, antes de ser mangaká, era um médico. Por isso, quando ele descreve certas doenças ou procedimentos, há tanto detalhe e conhecimento que é incrível. Ele conseguiu mostrar mais uma genialidade dele. E ainda dizem que ele não era um gênio. Tem certas doenças, certos detalhes, que eu nunca imaginaria ser possivel. O mestre realmente era muito inteligente! Além disso, certas coisas no mangá podem parecer absurda nos dias de hoje, como no caso “Confluence”, onde é falado que se a mulher tirar seus orgãos femininos (útero, ovário) ela não será mais mulher. Por isso, em certos momentos, tem que se pensar que naquela época, na medicina, era pensado isso.

O caso considerado "absurdo" nos dias de hoje

Black Jack tem tanta importância que, até hoje, é considerado um dos melhores mangás existentes, estando na lista do “1001 comics que você tem que ler antes de morrer” junto a Astro Boy. A série já foi adaptada até para um live-action! Um mangá foi lançado recentemente, Young Black Jack, contando   a história de Black Jack na juventude, e há alguns anos, teve até um cross-over entre House e Black Jack! Ainda duvidam da popularidade  e da importância da série?

Agora, deixando de lado Black Jack e falando como conheci o deus Osamu Tezuka. Quando eu era pequena e já gostava de animes, minha mãe vivia dizendo que adorava um anime que passava quando ela era pequena. Tinha uma Safiri e uma abertura muito engraçada. Ela falava de A Princesa e o Cavaleiro. Eu, curiosa, descobri a série e adorei. Tempo depois, assisti no Cartoon Network o anime de Astro Boy e fui admirando ainda mais as obras do mestre. Sempre que tinha oportunidade, lia matérias ou até mesma a Wikipedia sobre Osamu Tezuka. Eu o admirava e seu sorriso era tão simpático que me encantava. Anos depois, enquanto estava em uma viagem, acabei assistindo pela primeira vez Black Jack. Não exagero quando digo que foi paixão a primeira vista. Desde a abertura eu já me vi interessada, intrigada. Quando voltei para casa, tratei de baixar todos os episódios e não fiquei surpresa, e sim foi alegre, ao descobrir que era mais uma obra do meu ídolo. Depois de ver tudo sobre Black Jack, me aventurei em outras séries, como Adolf, Apollo’s Song, Kimba e Pluto, mesmo que este último não seja uma obra direta do mestre. Sei que ainda tenho muito o que ler de Osamu Tezuka, mas eu já o admiro muito, considero-o um deus, um mestre, um ídolo.

Finalizando o post, tenho que dizer que amei a idéia de fazer um dia totalmente dedicado ao meu ídolo. Espero que tenham gostado do post, fiz o meu melhor e queria até escrever mais. Se recomendo Black Jack? Definitivamente sim. Se eu recomendo as obras de Osamu Tezuka? Sim com toda a força do universo. Se eu recomendo o Tezuka Day? SIM!

Obrigada por ler até aqui!

OBS: Prometi no Twitter uma foto do Black Jack de sunga shorts. Aqui está, podem surtar:

I AM TOO SEXY FOR MY SHIRT
Anúncios

Publicado por

Rah Walker

Aspirante a escritora, blogueira nas horas vagas, amante dos livros, anime, mangá, patinação e animação no geral.

12 thoughts on “#TezukaDay – Black Jack e a genialidade de Osamu Tezuka”

  1. Ótimo post! Não sei como disseste que não gostou dele.

    Me fez ter altas nostalgias lembrando da minha infância e da primeira vez que vi Black Jack. Também preciso ver mais obras do mestre, mas as que eu vi jamais me decepcionaram.
    Gostei muito da tua participação, que aliás me deixou ansioso para vê-la.

    Por fim, quase surtei com a foto de House x Black Jack. Sou fanboy de House e vendo ele versus um dos meus personagens favoritos, puts! Seria épico um episódio assim!

    Parabén pelo o post e continue nos prestigiando com o seu ótimo jeito de escrever. ^^

  2. O post tava perfeito até o “Obrigada por ler até aqui!”. Era justamente onde deveria ter parado, =P. Parabéns pelo post e vamos continuar remando e levando a barca com a bandeira do Tezuka por tudo quanto é rio e oceano otaku.

  3. Eu poderia passar sem ver o black jack de sunga³

    Black Jack é uma obra e tanto, do pouco que pude ler do mangá, já deu pra pegar a essência da obra. É um dos mangás do grande Tezuka que eu mais tenho vontade de ler. Sua importância dentre as obras do Tezuka é inegável.

    Excelente post, Rah. Espero que a partir dele, o pessoal vá atrás de Black Jack.

  4. kkk gostei do post ^^ De fato o anime de Black Jack pareceu um pouco infantil. Contudo, como só vi ele e não li o mangá (falta de tempo é fogo ¬¬), pela sua descrição o mangá parece muito mais centrado, sério e adulto. Pois é, até me arrependo de ter lido pouquíssimas obras de Osamu Tezuka, mas fui convencido pela postagem…. vou ler Black Jack, assim q conseguir organizar minha vida bagunçada aqui Ç_Ç.

    Continue com seus textos dessa forma, ficou bom ^^
    OBS: é, tb nao gostei da imagem da sunga >_< kkkkk

  5. Otakismo aqui (não sei se me reconhecem pelo nome).

    Sobre o post, muito bem feito, articulado e na linguagem precisa de blog – inclusive em bom português. Vou acompanhar o blog (apesar de quase nunca conhecer os animes citados pela galera e não poder palpitar).

    Sobre Black Jack, grande título do Tezuka, talvez o mais interessante com o qual tive contato. Bom que caiu nas suas mãos. Vou divulgá-lo.

    Boa participação, Rafaela. (o nome feminino mais bonito ever)

  6. Assisti apenas Black Jack 21… Sensacional.. Tive a mesma impressão assistindo ele que quando joguei Trauma Center no Nintendo DS. A trama foi bem elaborada e a história do Black Jack é muito boa. Realmente, Black Jack é bem similar a House, mas com um sentido que Black jack é mais “normal” que o House.

  7. Muito bacana a postagem e o seu blog, voce escreve muito bem, eu sempre tive curiosidade a respeito desse manga, tentei ver o enime mas minha internet nao deixa (chateada), sem mais delongas, parabens pela postagem 🙂

    PS;srsrsrsrsrsrsrsrsrsr, rachei com a ultima imagem, pelo visto ate que eu curti 🙂 (sou estranha mesmo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s